Fisioterapia e terceira idade

Os alunos do quinto período do curso de Fisioterapia do Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG) finalizaram um projeto que oferece vários benefícios a homens e mulheres acima de 60 anos, o “Viva Bem com a Idade que Você Tem!”. A iniciativa visa à melhoria da qualidade de vida dessa população através de palestras como orientação sobre hábitos alimentares, ministrada por alunos de Nutrição, exames preventivos como a verificação de glicemia, realizada pelos universitários de Enfermagem, análises clínicas com os estudantes de Biomedicina e atividades físicas com os próprios acadêmicos de Fisioterapia.

O “Viva Bem”, como é carinhosamente conhecido, tem como voluntários os participantes de um grupo de vivência de terceira idade.

Mais que melhorar a qualidade de vida, orientando-os em suas limitações e complicações decorrentes da idade, o projeto oferece dinâmicas, atividades físicas, respiratórias e psicomotoras que ajudam a manter algumas habilidades que parecem simples, como amarrar o cordão do sapato, cortar unhas, pentear o cabelo, relacionando as ações ao fortalecimento, alongamento, postura e condicionamento físico. Mas o projeto também contribui para outras necessidades e desejos mais complexos, como fazer amigos – esta, talvez, uma das principais contribuições do “Viva Bem”.

Grandes benefícios para a turma da terceira idade, maiores ainda para os universitários. Além da prática, eles aprenderam com o convívio. A professora Ingrid Corcheti de Souza Guimarães, responsável por esse projeto, confirma esses benefícios. “O projeto fez com que os alunos percebessem a importância que o condicionamento físico traz e, acima de tudo, melhorou a visão do aluno em relação ao idoso, pois este tem limitações e dificuldades”.

Os participantes consideraram o projeto excelente, pois além da atividade física, eles se divertiam com as dinâmicas. Maria Terezinha Dias Bagne, de 75 anos, faz caminhada rotineiramente e essa iniciativa da Fisioterapia foi mais que um reforço físico para ela. “Estou me sentindo bem, mais leve… Nós ficamos para cima, pois a turma nos anima”. Já para Maria Selina Caovila dos Santos, de 71 anos, os benefícios foram além do bem estar, pois a convivência com a juventude a fez sentir melhor. “Achei ótimo para evitar a depressão, pois me alegrou e, além disso, passei a dormir melhor”.

O impacto do envelhecimento e das doenças faz com que o idoso altere seus hábitos de vida e rotinas diárias por atividades e formas de ocupação pouco ativas. Os efeitos associados à inatividade são muito sérios e podem acarretar numa redução na habilidade motora, na capacidade de concentração, de reação e de coordenação, gerando processos de auto-desvalorização, apatia, insegurança, perda da motivação, isolamento social e a solidão. O “Viva Bem com a Idade que Você Tem” reúne características que somam no desempenho físico, psíquico e humorístico de cada um e tenta deixar o idoso capaz de realizar qualquer atividade.

Fonte: http://portal.unis.edu.br/

Acupuntura pode amenizar cólicas menstruais

Para as mulheres, uma novidade que agrada: a acupuntura pode ajudar no combate às cólicas menstruais. A conclusão, publicada na revista especializada British Journal of Obstetrics and Gynaecology, é de pesquisadores sul-coreanos que analisaram 27 estudos sobre o assunto que envolveram mais de 3.000 mulheres em todo o mundo.

As cólicas menstruais, mais intensas em algumas mulheres, podem ser acompanhadas de náusea, diarreia, enxaqueca e dor nas costas. Os tratamentos mais conhecidos incluem medicamentos, compressas de água quente e exercícios físicos. De acordo com a revisão de antigos estudos, as diferentes formas de acupuntura também podem ser incluídas na categoria de tratamentos.

O método, no entanto, está longe de um consenso. A acupuntura tradicional consiste na aplicação de agulhas em pontos específicos do corpo descritos pelos acupunturistas como “meridianos de energia” – um conceito sem nenhuma evidência científica, garantem alguns cientistas.

Fonte: http://veja.abril.com.br/

RPG e estética

A relação entre má postura e gordura localizada se dá quando a pessoa tem algum tipo de desvio na coluna. Com o desalinhamento, o espaço entre as vértebras é comprimido, o que pode dificultar a circulação do sangue na região. A diminuição do fluxo sangüíneo, por sua vez, acarreta em retenção de líquido, em concentração de gordura e, conseqüentemente, no aparecimento da temida celulite, explica a fisioterapeuta especializada em terapia dermato-funcional Viviana Brant de Carvalho, da clínica de medicina estética Thyfere.

Com a má postura, alguns músculos são menos solicitados, sofrem um encurtamento e é aí que a gordura tende a se concentrar, diz o presidente da Sociedade Brasileira de Reeducação Postural Global, Oldack Borges de Barros. Para entender essa relação, ele exemplifica: “É raro a gordura se concentrar no bíceps, músculo exigido a todo momento no dia-a-dia; contudo, no tríceps, que é pouco solicitado, a gordura se acumula mais facilmente”. Voltando à má postura, “se ela pode gerar gordura e celulite, então a correção pode desfazê-las”, diz Eliza Hisatugo, fisioterapeuta especializada em RPG e que aplica a técnica para redução de medidas no Mizuki. O objetivo da técnica, como o próprio nome diz, é reeducar o corpo “para que ele se mantenha alinhado em seu eixo contra a força da gravidade”, diz Maria Elisa Pimentel Piemonte, professora de fisioterapia da USP.

Para tanto, depois de avaliar a postura do paciente, o fisioterapeuta, com as mãos, vai alinhando pés, joelhos, bacia e demais partes do corpo da pessoa. Esse trabalho é combinado com exercícios de alongamento e de respiração. Terminada a sessão, o aluno deve exercitar as novas posturas no dia-a-dia. “A pessoa deve se policiar e se corrigir em tudo o que faz, em toda a sua movimentação”, diz Lara Oliveira de Marchi, fisioterapeuta.

“Nas primeiras sessões, quando a fisioterapeuta me corrigia, achava que estava torta, apesar de que, olhando no espelho, estava ereta”, lembra a química Monica Sampaio Doria Velloso, 26. Essa sensação, diz Marchi, acontece porque o cérebro está acostumado com a postura antiga e incorreta. “É como aprender a dirigir um carro. No começo, todo movimento é pensado, como pisar na embreagem para mudar de marcha e, ao mesmo tempo, olhar no retrovisor, mas depois o ato é automático.”
Velloso, que pratica RPG há quatro meses, perdeu 7 kg dos 9 kg desejados e sente que o responsável é o trio dieta, exercícios e reeducação postural.
“No começo, tive de me policiar a cada momento para fazer o certo, mas, depois de quatro meses de sessões semanais, já me movimento normalmente, sai automático”, diz a arquiteta Roberta Masini Gabriel, 32.
Com 1,62 m, ela entrou na clínica de estética há cinco meses pesando 56,5 kg e com o objetivo de perder alguns quilos e de acabar com a gordura localizada. Hoje pesa 50,5 kg. “Já cheguei a pesar 50 kg, mas continuava com culote e com muita celulite. Hoje, isso diminuiu sensivelmente”, conta a arquiteta, que também faz dieta e sempre praticou atividades físicas na academia.
Aliás, dizem os fisioterapeutas, de nada adianta encaixar os quadris direitinho e colocar a barriga para dentro se a RPG não for aliada à conhecida dobradinha exercício e dieta. E mais: “O programa de RPG só ajuda a diminuir gorduras localizadas causadas pela postura incorreta”, afirma Viviana de Carvalho.
Em relação aos principais desvios posturais, são poucos os casos congênitos. Em geral, hiperlordose, hipercifose e escoliose –posturas incorretas e coadjuvantes no processo de retenção de gordura- são causadas por uma vida inteira de maus hábitos no modo de andar, sentar, dormir e gesticular.
Para muitos, a curvatura da coluna de Gisele Bündchen e seu bumbum empinadinho quando faz sua famosa “paradinha” no fim da passarela são vistos como modelo de perfeição postural, mas, para Barros, caracteriza-se pelo modelo de hiperlordose -aumento anormal da curva lombar. Mas ela não tem “pneuzinhos”, nem barriga, nem culote. “A má postura não é sinônimo de gordura localizada, mas é um fator desencadeante em potencial.”
Como conseqüência da hiperlordose, a circulação sangüínea na região abdominal e no quadril fica comprometida, propiciando a retenção de líquidos, a localização de gordura na região e o aparecimento de celulite, além de os músculos abdominais se enfraquecerem, projetando a barriga para a frente.
Normalmente, quem possui hiperlordose tende a ter hipercifose – aumento anormal da cifose, que é a curvatura natural da coluna vertebral. Além de imprimir uma postura de “fracasso”- ombros caídos e pescoço para a frente–, tende a promover o acúmulo de gordura na parte superior das costas, bem abaixo do pescoço, “deixando a pessoa corcunda”, diz Carvalho.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/

Saiba mais sobre a técnica de RPG